Cinco experiências para desfrutar do outono na Galiza

REBECA CORDOBÉS

VEN A GALICIA

Martina Miser

Descobrir a paisagem dos parques naturais, saborear os vinhos na altura das vindimas ou fazer o Caminho de Santiago sem corridas para chegar ao albergue, são alguns dos planos que se desfrutam mais sobre um tapete de folhas secas

06 oct 2022 . Actualizado a las 18:48 h.

O outono tem os seus encantos. Quem não acreditar que pergunte aos habitantes de O Courel, que veem como a sua paisagem se transforma em arco-íris de tons ocres. Ou aos viticultores da Ribeira Sacra, das Rías Baixas ou de qualquer outra zona de produção de vinho com denominação de origem, que saboreiam os primeiros frutos da vindima. Há de facto experiências que só podem ser vividas num momento concreto do ano, como ir à procura de cogumelos ou assar castanhas. Agora que chegam meses com pontes e feriados, uma escapada à Galiza permite fazer planos que se desfrutam mais sobre um tapete de folhas secas.

Descobrir os parques naturais


Parque Natural Baixa Limia-Serra do Xurés.
Parque Natural Baixa Limia-Serra do Xurés. Santi M. Amil

Que a atividade estrela do verão é ir à praia, é sabido em qualquer zona de costa, mas o outono é a época por excelência das matas. A sua vegetação transforma-se com o passar das semanas, indo do verde mais intenso à nudez, com uma evolução através de um arco-íris de tons ocre. As árvores autóctones são especialistas nesta transformação de vestuário e oferecem um espetáculo ao alcance de qualquer pessoa com vontade de calçar as botas e caminhar pelas zonas protegidas onde se encontram.

A Galiza oferece numerosas reservas, mas o sinal de que um território é especialmente rico em flora e fauna está na categoria de proteção que tem. Assim, tirando o Parque Nacional das Illas Atlánticas, os parques naturais são os que se destacam. Há seis na comunidade: Fragas do Eume (A Corunha), Corrubedo e lagoas de Carregal e Vixán (A Corunha), O Invernadeiro (Ourense), Serra da Enciña da Lastra (Ourense), Baixa Limia-Serra do Gerês (Ourense) e Monte Aloia (Pontevedra).

Saborear os vinhos com denominação de origem

MARTINA MISER

Setembro é temporada de vindimas e o outono, o momento de provar os seus frutos. Na Galiza existem cinco denominações de origem: Rías Baixas, O Ribeiro, Monterrei, Ribeira Sacra e Valdeorras. Todas elas apresentam ofertas de enoturismo que permitem não só saborear os seus vinhos, como também visitar as suas adegas, caminhar entre sus vinhedos e até participar no processo de elaboração.

Além disso, cada uma destas zonas tem os seus encantos. As Rías Baixas combinam os seus vinhos com os produtos do mar. A Ribeira Sacra permite desfrutar dos impressionantes câniones do Sil e do Minho à vista desde os seus miradouros ou penetrar na vegetação à procura de igrejas românicas. Monterrei transporta os visitantes para o passado com o seu imponente castelo. Valdeorras surpreende com as suas adegas cavadas em forma de grutas com chaminé. E O Ribeiro oferece um relaxe total graças às suas águas termais.

Relaxar nas águas termais

Termas do Prexigueiro, em Ribadavia.
Termas do Prexigueiro, em Ribadavia. SANTI M. AMIL

Desfrutar das águas termais é outra das experiências ideais para o outono. Embora se possa fazer em qualquer época do ano, o regresso à rotina e o cansaço que se acumula após as primeiras semanas de trabalho ou de aulas, bem merecem uma pausa no caminho para relaxar. A Galiza tem mais de 300 nascentes, havendo assim destinos suficientes para fazer uma escapada.

Existem várias opções que costumam incluir alojamento. Os balneários baseiam os seus tratamentos nas propriedades das águas mineromedicinais para oferecer jornadas ao puro estilo dos romanos, que já aproveitavam esta experiência. Os talassos, por sua vez, utilizam os atributos terapêuticos da água do mar, assim como das algas, lodos e restantes elementos do meio marinho. Além disso, para quem procurar opções mais económicas, existem termas públicas como as de Ourense onde passar uma tarde relaxada.

Festejar o Samaín, a festa que deu lugar ao Halloween

Procissão da Santa Compaña em Samaín de Vigo, em imagem de arquivo.
Procissão da Santa Compaña em Samaín de Vigo, em imagem de arquivo. Oscar Vazquez

Visitar a Galiza sem assistir a uma festa é quase um pecado tão grande como não provar os seus pratos tradicionais. Entre todas as celebrações que têm lugar no outono, destaca-se sem dúvida o Samaín. Embora se possa pensar que é a versão galega do Halloween, trata-se na realidade da origem da festa anglo-saxónica. Foram de facto os celtas que deixaram tradições como a de esvaziar abóboras e de esculpir nelas caras terroríficas, que também se espalharam nesses territórios onde as crianças saem à rua e pedem guloseimas no dia 31 de outubro.

Cada zona e até cada paroquia tem a sua forma específica de festejar essa data, mas existem elementos comuns como a referida tradição de esculpir abóboras, cuja finalidade era afastar os maus espíritos das casas. Também são habituais os desfiles de disfarces, com um destaque especial para os que recriam a passagem da Santa Compaña, uma procissão de almas em pena que, de acordo com a lenda, percorre os montes galegos cada noite.

Fazer o Caminho de Santiago

Um peregrino que percorre o Caminho Primitivo no outono, passando por A Fonsagrada.
Um peregrino que percorre o Caminho Primitivo no outono, passando por A Fonsagrada. Manuel F. Rodríguez

É uma atividade transversal a todas as épocas do ano. Fazer o Caminho de Santiago é uma experiência que varia em função da estação. E não só devido à paisagem. Peregrinar após a temporada alta, que termina aproximadamente com as pontes do mês de outubro, permite viver a experiência sem congestionamentos nem corridas para chegar ao albergue público. O outono oferece assim uma versão mais espiritual da rota jacobeia, mas sem sofrer do frio do inverno. É, no entanto, recomendado verificar que alojamentos estão abertos, visto que alguns fecham as suas portas durante estes meses.